STF manda investigar organização criminosa de fake news

0
250
Visualizados
O ministro do STF Alexandre de Moraes Foto: Rosinei Coutinho/ STF

Na prática, Alexandre de Moraes multiplicou as frentes de apuração e abriu casos específicos contra duas deputadas federais bolsonaristas.

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes atendeu apenas em parte o pedido do procurador-geral da República, Augusto Aras, de arquivar as investigações dos atos antidemocráticos. Na prática, o ministro multiplicou as frentes de apuração e abriu casos específicos contra duas deputadas federais bolsonaristas. 

O ministro, porém, abriu novas investigações para desvelar uma suposta organização criminosa cujos passos foram detectados pela Polícia Federal. Essa organização contaria com diversos núcleos, e teria atuado para controlar a Secretaria de Comunicação da Presidência.

“A análise dos fortes indícios e significativas provas apresentadas pela investigação realizada pela Polícia Federal aponta a existência de uma verdadeira organização criminosa, de forte atuação digital e com núcleos de produção, publicação, financiamento e político absolutamente semelhantes àqueles identificados no Inquérito 4781 (o que apura ataques e ameaças a integrantes do STF)”, diz o ministro na decisão.

Nos autos, a Polícia Federal nomina membros que poderiam integrar o núcleo político desse grupo e cita dois filhos do presidente Jair Bolsonaro: o senador Flávio Bolsonaro e o vereador Carlos Bolsonaro. 

“As investigações da Polícia Federal apontaram fortes indícios da existência de uma organização criminosa voltada a promover diversas condutas para desestabilizar e, por que não, destruir os Poderes Legislativo e Judiciário a partir de uma insana lógica de prevalência absoluta de um único poder nas decisões do Estado, sem qualquer possibilidade de controle ou fiscalização, nos moldes constitucionais”, diz a decisão.

Um personagem tem papel central nas apurações: Allan dos Santos, detentor de um canal bolsonarista na internet. “A investigação realizada pela Polícia Federal apurou – sem prejuízo da existência de outras estruturas similares, que necessitam de uma análise mais aprofundada – a atuação do blogueiro ALLAN LOPES DOS SANTOS, por meio de CANAL TERÇA LIVRE, mantido pela empresa Terça Livre Produções Ltda, como ponto de referência para a construção do discurso acima indicado e da materialização de suas pretensões”, diz a decisão do ministro. 

“As investigações da Polícia Federal, portanto, trouxeram fortes indícios de que Allan dos Santos atua na condição de um dos organizadores dos diversos ataques à Constituição Federal, aos Poderes de Estado e à Democracia, principalmente, por meios digitais, pregando deliberadamente o fim de instituições democráticas”, escreveu o ministro.

Mensagens apreendidas pela PF indicam que Santos tentou nomear aliados em áreas da Secretaria de Comunicação da Presiddência, a Secom. “A intenção de dominar determinado setor da SECOM, possivelmente para facilitar o atendimento de interesses exclusivos do grupo é confirmada pela mensagem entre Julia Zanatta e Alan dos Santos, afirmando que ‘temos que tomar essa secretaria.’”

Moraes ainda abriu apurações específicas de caixa dois e uso irregular de servidores contra duas deputadas federais bolsonaristas, Paula Belmonte e Aline Sleutjes.

Nas buscas, a PF encontrou mensagens que indicam que Belmonte pode ter simulado gastos para justificar o investimento de R$ 2 milhões em campanha eleitoral. 

A segunda é suspeita do uso de verba parlamentar para financiar os atos antidemocráticos. A presidente da Comissão de Consttuição e Justiça da Câmara, Bia Kicis, é citada em diversos trechos da decisão como integrante do grupo que auxiliava a montagem dos atos contra instituições.
CNN

Deixe seu comentário

Por favor, digite seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui