Sara Winter revela que recebia ordens de Bolsonaro e que Heleno mandou mirar no STF

0
249
visualizações
Foto: Reprodução / Twitter

Em entrevista exclusiva para a Revista Isto É, publicada na última sexta-feira, 19, a ativista da extrema direita Sara Winter, apelido de Sara Fernanda Giromini, revelou que recebia ordens diretas do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e foi orientada pelo ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, Augusto Heleno, a atacar o STF (Supremo Tribunal Federal). Além disso, revela que quatro parlamentares federais estiveram na organização do “acampamento dos 300”, na Praça dos Três Poderes em maio de 2020.

Segundo Winter, os parlamentares Daniel Silveira (PTB-RJ), Carla Zambelli (PSL-SP), Sargento Fahur (PSL-PR) e Bia Kicis (PSL-DF) fizeram parte da organização do “acampamento dos 300”. Ela revela que a deputada federal Carla Zambelli repassava ao grupo avaliações sobre a influência do movimento, enquanto que a outra representante na Câmara federa, Bia Kicis, estruturava parte da ação, em que se destaca a forma como abordar a imprensa.

“Ela cedeu o assessor Evandro Araújo e colocou um advogado de seu gabinete para acompanhar reuniões com a Secretaria de Segurança do Distrito Federal”, relatou Sara Winter sobre a participação de Kicis.

Já sobre o pedido encaminhado por Heleno, Sara explica que “ele pediu para deixar de bater na imprensa e no Maia e redirecionar todos os esforços contra o STF.

A defensora da extrema direita revela ainda que teme por sua vida, após anunciar em janeiro deste ano que divulgaria outros detalhes da interação entre Bolsonaro, seus aliados e apoiadores. “Tenho medo. Anunciei que ia contar tudo que eu sabia sobre o bolsonarismo. O Planalto surtou e fez uma reunião ministerial”, disse a Eudes Lima.

Arrependida por ter apoiado Bolsonaro, critica os aliados e declara que falar das “rachadinhas e milícias são tipos de assuntos proibidos” no círculo bolsonarista. 

Temendo por sua segurança, Giromini, que é mãe, planeja morar no México. Após ser presa, acumula hoje uma dívida de R$ 3 milhões com o fim dos processos.
A Tarde

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui