Relatório feito nos EUA diz que as eleições no Brasil terá violência com derrota de Bolsonaro

0
128
visualizações
Bolsonaro com militares, Foto: Getty Images

O documento foi elaborado por professores da Universidade de Miami, Universidade Brown, Universidade da Virginia, Universidade da Cidade de Nova York (CUNY), entre outros, e compilado pelo Washington Brazil Office, com o apoio de organizações como o Greenpeace, a Associação Brasileira de Relações Internacionais (ABRI), a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), a Artigo 19, o Instituto Sou da Paz, entre outros, foi entregue à Membros do alto escalão do governo Joe Biden e do Congresso dos Estados Unidos.

“Bolsonaro está criando condições para um ambiente eleitoral muito instável e, se perder, o mundo deve lembrar o ataque de 6 de janeiro de 2021 ao Capitólio dos EUA e estar preparado para testemunhar uma versão provavelmente mais extrema disso no Brasil”, afirma o documento de 25 páginas, enviado ao governo americano.

O dossiê em que diversos acadêmicos e instituições da sociedade civil no Brasil e nos EUA pedem aos americanos que se mantenham vigilantes sobre o pleito de 2022 e priorizem as liberdades individuais e a democracia em sua relação diplomática com o Brasil.

O dossiê aponta semelhanças entre o comportamento de Bolsonaro e o do ex-presidente americano Donald Trump para chamar a atenção do governo dos EUA. “Reminiscente da retórica de Trump em 2020, Bolsonaro já disse que pode não aceitar os resultados da eleição de 2022, criando um terreno fértil para desinformação e atos extremistas”, diz o documento.

Cerca de 30 tanques militares passaram pelo Congresso Nacional, Supremo e Palácio do Planalto enquanto parlamentares decidiam sobre voto impresso na eleição. Foto: EPA

Trump, por sua vez, acusou o sistema eleitoral americano de ser fraudulento antes mesmo que as eleições acontecessem e, depois de fechadas as urnas, moveu diversas ações judiciais contra sua derrota, tentou convencer os atores políticos a não chancelarem os resultados e conclamou seguidores a uma manifestação que terminou com a invasão ao Congresso americano, episódio em que cinco pessoas morreram.

Apoiadores radicais de Trump invadiram o Congresso americano em 6 de janeiro de 2021 para interromper a certificação do presidente eleito, o democrata Joe Biden, Foto: Reuters

O presidente brasileiro apoiou as acusações sem provas de Trump sobre fraude eleitoral nos EUA e demorou dias para dar os cumprimentos oficiais ao sucessor do republicano, o democrata Biden.

No Brasil, Bolsonaro fez campanha pelo voto impresso e chegou a promover um desfile de tanques em Brasília enquanto o Congresso decidia sobre como aconteceria a votação no país em 2022. Esta semana, o presidente brasileiro mais uma vez repetiu que as urnas eletrônicas não são auditáveis e que pode haver “suspeição” no processo eleitoral.

Bolsonaro demonstra desespero por fazer campanha antes do tempo permitido pela lei eleitoral, isso porque aparece em segundo lugar nas pesquisas eleitorais até o momento, atrás do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

“Bolsonaro não está preocupado com a integridade das eleições, e está tentando encontrar qualquer motivo para contestar os resultados – mesmo antes que a eleição ocorra”, afirma o relatório entregue aos americanos.

O texto qualifica os discursos do presidente brasileiro no último dia 7 de setembro como “comícios pró-golpe”. Na ocasião, Bolsonaro chegou a dizer que não mais cumpriria decisões judiciais de um dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes. O relatório diz ainda que “Bolsonaro mostrou ser uma ameaça à democracia brasileira” e que “as instituições jamais estiveram tão ameaçadas desde a redemocratização”.

Ao mencionar como perfis bolsonaristas na web fizeram circular, em 2018, um vídeo falso que sugeria que a urna eletrônica convertia o voto em Bolsonaro para Fernando Haddad (PT), o dossiê menciona que a mensagem, originalmente postada por Flávio Bolsonaro, foi replicada por um velho conhecido dos democratas, o Youtuber Paul Joseph Watson, do site Infowars, um dos maiores disseminadores de notícias falsas nas eleições presidenciais americanas de 2016 e 2020 e um apoiador de Donald Trump.

“Seus constantes ataques (de Bolsonaro) às eleições devem levar governos internacionais a apoiar a democracia brasileira”, afirma o documento, que menciona ainda o aumento nos índices de desmatamento na atual gestão e a conturbada relação do Executivo com minorias, como os povos indígenas.

As manobras para desacreditar o processo eleitoral

O dossiê é distribuído à Casa Branca e a todos os congressistas dos EUA no mesmo momento em que o presidente Jair Bolsonaro volta a colocar em dúvida o processo eleitoral no Brasil. Em um evento no Palácio do Planalto nesta quarta (27/4), Bolsonaro sugeriu que o Exército deveria fazer uma dupla checagem do pleito, em outubro.

“Quando encerra eleições e os dados chegam pela internet, tem um cabo que alimenta a sala secreta do TSE. Dá para acreditar nisso? Sala secreta, onde meia dúzia de técnicos diz ‘quem ganhou foi esse’. Uma sugestão é que neste mesmo duto seja feita uma ramificação, um pouco à direita, porque temos um computador também das Forças Armadas para contar os votos”, afirmou o presidente. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nega que exista uma sala secreta como a mencionada pelo presidente.

No último fim de semana, o ministro do STF e ex-presidente do TSE Luís Roberto Barroso disse em um evento de uma universidade alemã que “desde 1996 não tem um episódio de fraude no Brasil. Eleições totalmente limpas, seguras e auditáveis. E agora se vai pretender usar as Forças Armadas para atacar? Gentilmente convidadas a participar do processo (eleitoral), estão sendo orientadas para atacar o processo e tentar desacreditá-lo?”

A afirmação de Barroso foi alvo de uma nota do Ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, que a qualificou como uma “ofensa grave”.

Em meio às tensões entre os poderes, em meados de abril, o TSE disparou pedidos a diversos órgãos internacionais para que sirvam de observadores do processo eleitoral no Brasil este ano. Entre os convidados, estão a União Europeia, a Organização dos Estados Americanos (OEA), o Carter Center, organização fundada pelo ex-presidente dos Estados Unidos Jimmy Carter, o Parlamento do Mercosul (Parlasul), a União Interamericana de Organismo Eleitorais (Uniore), a Fundação Internacional para Sistemas Eleitorais (IFES) e a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

A presença de observadores eleitorais internacionais não é novidade. Ainda assim, o presidente Bolsonaro reagiu com irritação à iniciativa.

“O pessoal quer dar ar de legalidade (às eleições) convidando observadores internacionais. Imagine chegando aqui um americano, um japonês, um angolano, um sueco, vai fazer o quê? Vai ficar olhando, de longe, o cara apertar o botão e de repente à noite sai o resultado. Que observação é essa? Que legalidade é essa? Com que segurança ele pode dizer que aconteceram essas eleições?”, questionou Bolsonaro, nesta quarta, em evento no Palácio do Planalto.

Os responsáveis pelo dossiê, no entanto, advogam que essa é a hora para que a audiência internacional e, especialmente, a americana, volte seus olhos para o Brasil. Segundo Paulo Abrão, ex-secretário Executivo da Comissão Interamericana de Direitos Humanos e um dos diretores do Washington Brazil Office, responsável pela elaboração do dossiê, alguns parlamentares americanos discutem a possibilidade de criar um grupo formal de “amigos do Brasil” para acompanhar o processo eleitoral.

“Estamos chamando a comunidade internacional para olhar para o Brasil ainda antes da eleição em si e acompanhar o processo. A voz dos EUA respaldando o resultado de uma eleição sempre é muito importante para definir os cenários na comunidade internacional”, afirmou Abrão.

O documento será avaliado

O dossiê foi remetido a Biden por meio de alguns de seus principais assessores, como o conselheiro de segurança nacional Jake Sullivan.

Outras autoridades do governo dos EUA às quais o documento foi enviado são o Enviado Climático, John Kerry; o assessor presidencial para América Latina Juan Gonzalez; e a diretora da agência USAID, Samantha Power.

Sullivan e González estiveram em visita ao Brasil em agosto do ano passado. Na ocasião, diante de críticas públicas de Bolsonaro ao sistema eleitoral brasileiro, Gonzalez fez comentários públicos sobre a democracia brasileira.

“Fomos muito diretos em expressar nossa confiança na capacidade de as instituições brasileiras conduzirem uma eleição livre e limpa e enfatizamos a importância de não ser minada a confiança no processo de eleições, especialmente porque não há indício de fraude nas eleições passadas”, disse à época, Gonzalez, sobre o teor da conversa com Bolsonaro.

Esta semana, o Departamento de Estado dos EUA mandou uma delegação de alto nível para reuniões com o Itamaraty e outras autoridades brasileiras no país. Questionados em coletiva de imprensa sobre as eleições, as autoridades americanas reafirmaram que confiam na capacidade das instituições brasileiras de conduzir uma eleição condizente com as escolhas do povo brasileiro.
*Com informações da BBC

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui