Preço do combustível no Brasil pode dobrar de preço, entenda

0
116
visualizações
Posto de combustível em Salvador - BA

O Reino Unido deve acompanhar os Estados Unidos no boicote, reduzindo suas importações de petróleo gradualmente até o fim de 2022, segundo o secretário de Negócios britânico Kwasi Kwarteng.

Já a União Europeia anunciou um plano de mais longo prazo para reduzir sua dependência dos combustíveis fósseis russos, com a expectativa de chegar à independência total até 2030.

Do outro lado, a Rússia ameaçou na noite de segunda-feira suspender o fornecimento de gás natural à Europa por meio do gasoduto Nord Stream 1. O vice-primeiro-ministro russo, Alexander Novak, alertou que o movimento poderia ter “consequências catastróficas” para a economia mundial e previu que o preço do barril poderia chegar com isso a US$ 300.

Diante da perspectiva de avanço nas restrições internacionais ao comércio de petróleo e gás, o óleo chegou a subir mais de 7% nesta terça-feira, superando os US$ 131 por barril para o tipo Brent, referência para o mercado europeu, e os US$ 128 para o WTI (referência nos EUA).

Desde o início do ano, o petróleo já valorizou mais de 70% e, na segunda-feira, a cotação chegou a bater em US$ 139, maior patamar desde o recorde de US$ 147 atingido em 2008.

No Brasil, esse cenário aumenta a pressão por uma mudança na política de preços da Petrobras, diante de um presidente Jair Bolsonaro (PL) preocupado com os efeitos da inflação na corrida eleitoral de outubro.

No Congresso, projetos de lei que buscam aliviar a pressão sobre os combustíveis ganham urgência com a alta de preços do petróleo no mercado internacional.

Por aqui, a percepção de uma piora do quadro inflacionário se consolida. Nesta terça-feira, a XP Investimentos, por exemplo, elevou sua projeção para a inflação no Brasil de 5,2% para 6,2% este ano, e de 3,25% para 3,80% no ano que vem, devido ao cenário de preços de commodities muito mais instável.

Todo esse cenário faz entender que se o preço do barril de petróleo sobe no mercado internacional, o Brasil é prejudicado e muito com essas altas que podem dobrar de preço para o consumidor final, já que a política de preços da Petrobras é em dólar, mudar essa política de preços da petroleira brasileira não é tão simples.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui