Papai Noel de Lagoa Santa (MG) morre poucos dias antes do Natal

0
150
visualizações
Foto: Natália Oliveira

Aluízio de Alcântara, de 78 anos, que se vestia como bom velhinho há mais de 50 anos e entregava balas e presentes para as crianças, morreu nesta terça-feira (21) deixando seis filhos

O Natal em Lagoa Santa, na região metropolitana de Belo Horizonte, ficou mais triste neste ano com a morte do Papai Noel mais antigo da cidade poucos dias antes da data festiva.  Aluízio de Alcântara, de 78 anos, que se vestia como bom velhinho há mais de 50 anos e entregava balas e presentes para as crianças, morreu nesta terça-feira (21) deixando seis filhos. 

Nos últimos dias, o Papai Noel saia caracterizado para o centro de Lagoa Santa e tirava fotos com as crianças em troca de brinquedos que eram entregues a meninos e meninas em situação de vulnerabilidade social. Por muitos anos ele figurou no imaginário natalino de várias gerações na cidade, que se recordam com carinho do bom velhinho. 

 “Por muito tempo acreditei que ele era o Papai Noel de verdade e ainda tirava onda na escola, porque conhecia o Papai Noel pessoalmente. Todo fim de ano ele subia em um carro de som e percorria as ruas da cidade, distribuindo bala, pipoca, pirulito. A gente ouvia de longe o locutor anunciar ‘É o Papai Noel’ e já corria pra rua, esperando ele passar, jogar os doces, sorrir e acenar. Era um momento realmente mágico. E depois ainda tinha a distribuição de presentes, numa escola estadual do bairro. Ele recolhia doações e distribuía brinquedos, além do tradicional cachorro-quente com refrigerante”, relembrou a jornalista Jéssica Virgínia Batista, de 32 anos. 

Ela ainda contou que os presentes distribuídos pelo papai noel era, muitas vezes, o único que diversas crianças recebiam. “Eu sei que para muitas crianças, esse era o único presente que ganhavam no Natal. Por isso ele foi tão marcante, ele demonstrava que o Papai Noel lembra de todo mundo, não exclui ninguém, ele era um símbolo de esperança. Ele transformou uma lenda em uma figura humana, de carne e osso, próxima, acessível. Não pedia nada em troca por esse trabalho, o pagamento dele era o sorriso das crianças, o abraço apertado, o carinho, as muitas fotos tiradas, que no dia do seu falecimento tomaram conta das redes sociais”, complementou. 

Uma das filhas de Acântara postou um agradecimento ao carinho da população por meio das redes sociais. “Não poderia deixar de agradecer e de consolar cada um de vocês, que com muito carinho deixaram uma homenagem aqui para nós familiares, vocês podem ter certeza, que a cada foto que vocês tiraram com ele o deixava feliz, a cada brinquedo que ele entregava a alguma criança era de coração, e a cada ajuda que recebia era todo investido nas compras de presentes ou balas, pipocas, ou no sanduíche para sua festinha”, escreveu Magali Batista Acantâra.

Papai Noel tinha esperança de um Natal sem pandemia em 2021 

Em um vídeo gravado em 2020 pelo fotógrafo Lenysson Cunha, o bom velhinho disse que estava triste por não poder se aglomerar com as crianças e que neste ano ele esperava que isso pudesse ser feito. 

“Meu pai estava triste por mais uma vez não poder fazer sua festinha para as crianças, devido a pandemia, e estava com muita esperança que essas crianças fossem vacinadas o mais rápido, para que no próximo ano podesse fazer a tal festa. Mas Deus o chamou, e chamou sabendo que ele fez várias e foram as melhores, simples mas verdadeiramente de coração. E é com os olhos cheios de lágrimas, que não consigo nem escrever direito que agradeço a todos Lagoasantesses, por todo esse carinho com nosso pai, estou impressionada com tantas fotos que meu pai tirou, nem eu sabia, o quanto ele era querido! Vocês nós surpreenderam!Que Deus receba nosso pai de braços abertos! Obrigada a todos pelo carinho”, escreveu a filha do papai noel.
Super Notícia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui