Lula e mais 440 personalidades mundiais apelam a Biden pelo fim do embargo econômico a Cuba

0
145
Visualizados
Não há razão para que os EUA tratem os cubanos como inimigos, como nos tempos da Guerra Fria, dizem os signatários da carta

Noam Chomsky, Jane Fonda, Adolfo Pérez Esquivel e movimentos como o MST e o Black Lives Matter afirmam que é “inescrupuloso” manter o bloqueio econômico a Cuba durante a pandemia.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e outras 440 personalidades mundiais enviaram uma carta aberta ao presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, pedindo o fim do embargo econômico imposto a Cuba. O manifesto, intitulado Let Cuba Live (Deixem Cuba Viver), foi publicado no jornal The New York Times nesta sexta-feira (23). Eles pedem que o democrata revogue uma série de 246 “medidas coercitivas” contra a ilha socialista assinadas pelo seu antecessor, Donald Trump.

Também assinam o ex-presidente do Equador Rafael Correa, o líder trabalhista do Reino Unido Jeremy Corbyn e o ex-ministro das Finanças da Grécia Yanis Varoufakis; intelectuais, como os norte-americanos Noam Chomski e Judith Butler, o britânico David Harvey e o Nobel da Paz argentino Adolfo Pérez Esquivel e o brasileiro Frei Betto; o cineasta Oliver Stone, os atores Susan Sarandon, Danny Glover, Jane Foda, Mark Ruffalo, Emma Thompson e o brasileiro Wagner Moura. O músico Chico Buarque também aparece entre os signatários.

Confira a carta na íntegra e a lista completa de apoiadores

Esse manifesto, no entanto, surge um dia após Biden anunciar novas sanções contra Cuba. As restrições diplomáticas e financeiras recaem sobre autoridades cubanas identificadas como responsáveis pela repressão a protestos que ocorrem na ilha durante a semana passada. Dezenas de manifestantes foram presos, mas o governo cubano também acusa os Estados Unidos de promover a desestabilização.

Por outro lado, as autoridades cubanas também anunciaram medidas para atender às demandas da população. A importação privada de alimentos, medicamentos e materiais de limpeza e higiene foi autorizada, até o final do ano. Além disso, o governo socialista também aumentou a oferta de produtos da cesta básica pelas “livretas de abastecimento” para 300 mil cubanos, revertendo a política conhecida como Tarefa Ordenamento.

“Consideramos inescrupuloso, especialmente durante uma pandemia, bloquear intencionalmente as remessas e o uso de instituições financeiras globais por parte de Cuba. Visto que o acesso a dólares é necessário para a importação de alimentos e medicamentos”, diz um trecho do manifesto.

O movimento Black Lives Matter, que luta contra o racismo nos Estados Unidos, apoia o manifesto. Além das entidades estadunidenses de direitos humanos People’s ForumAnswer Coalition e CodePink. O Brasil também é representado pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

“Não há razão para manter a política da Guerra Fria que exigia que os EUA tratassem Cuba como um inimigo existencial em vez de um vizinho”, diz outra parte do documento. “Em vez de manter o caminho traçado por Trump em seus esforços para desfazer a abertura do presidente Obama a Cuba, nós contamos com o senhor (Biden) para seguir em frente.”

Nesse sentido, a prioridade, segundo os signatários da carta, é “retomar a abertura” e “iniciar o processo de encerramento do embargo”, com o objetivo de acabar com a severa escassez de alimentos e medicamentos enfrentada pelo país caribenho.
Rede Brasil Atual

Deixe seu comentário

Por favor, digite seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui