Blog do Murilo: O debochado ministro Paulo Guedes explicando o que muitos já sabem

    0
    128
    Visualizados

    Desde que chegou ao comando da pasta do Ministério da Economia Paulo Guedes vem colecionando frases polêmicas para explicar o que muitos brasileiros já sabem, a economia do Brasil está sem controle algum.

    Um dos maiores problemas é do preço dos combustíveis resultado de desorganização da nossa macroeconomia em função de tomadas de decisões erradas por parte do governo. É isso que Guedes não quer assumir e fica com frases que mais parecem piadas de stand up comedy.

    A última frase brilhante do ministro foi que “o dólar já era pra ter caído, mas o barulho político não deixa”, ou seja é o governo que sempre tem um “bode expiatório” pra dizer que não da para fazer porque alguém ou alguma coisa não deixa acontecer, isso é desinformação das mais terríveis fazendo os brasileiros de trouxa, essa que é a real.

    A culpa era do PT, depois passou ser do STF e agora é a briga política, quem será o próximo “vilão” que não vai deixar as coisas se ajeitarem, qual será o próximo “inimigo”? Paulo Guedes já falou tanta coisa inútil e equivocada para explicar o inexplicável, mas tem umas que vale a pena lembrar:

    “Não tem negócio de câmbio a R$1,80 […] todo mundo indo pra Disneylândia. Empregada doméstica indo pra Disneylândia, uma festa danada”. Como podem ver quando falamos que esse tipo de brasileiro existe, aparece alguém do nada gritando que é teoria da conspiração, essa fala e outras bizarras podem ser encontradas no youtube com facilidade para conferência.

    “Qual é o problema agora que a energia vai ficar um pouco mais cara porque choveu menos?, mais um equívoco do ministro que culpa a natureza, ao contrário que Guedes afirma a crise energética no país pode levar anos pois está relacionado também a má gestão do governo de Bolsonaro na área da energia. A crise ocorre, principalmente, em função de um modelo de gestão que levou os reservatórios das usinas hidrelétricas à exaustão. E precisará de muito tempo para serem devidamente recuperados por causa do desmonte feito por privatizações sem planejamento eficaz.

    “O prato de um [membro de] classe média europeu, que já enfrentou duas guerras mundiais, são pratos relativamente pequenos. E os nossos aqui, nós fazemos almoços onde às vezes há uma sobra enorme. Isso vai até o final, que é a refeição da classe média alta, até lá há excessos”, isso e até difícil de comentar porque não tem nenhuma lógica, a onde já se viu governo se entrometer no quanto você come? se você pode comer, sem mais comentários.

    “As pessoas destroem o meio ambiente porque precisam comer. Você não tem um meio ambiente limpo porque as soluções não são simples. São complexas.” Acredito que ele nunca ouviu falar de economia sustentável, mesmo sendo economista, nem muito menos de meio ambiente sustentável, aliás a palavra sustentável nessa fala de Guedes nem se encaixa, se trata pura e simplesmente de destruir para desenvolver, achei contraditório, mas é assim que ele pensa.

    Eu poderia listar muitas outras frases estranhas e confusas de Paulo Guedes, mas acredito que j´deu pra entender do que estamos falando.

    Paulo Guedes passou pelo Chile como integrante do pessoal da economia do pais e viveu no Chile na década de oitenta, quando conheceu de perto as reformas implementadas pela ditadura Chilena. Um dos maiores erros que ele cometeu por lá e está repercutindo agora foi a reforma da previdência dos chilenos que deu muito errado ao longo dos anos. Agora foi convidado pelo então presidente eleito Jair Bolsonaro em 2018 para ocupar a pasta da economia no Brasil, mas pelo jeito ele não aprendeu com seus próprios erros do passado no Chile, repete tudo igual por aqui, e quando se faz igual o resultado é igual, simples assim.

    A receita chilena de liberdade total à economia somada ao fim de direitos sociais é a mesma que o bolsonarismo quer implantar no Brasil. e agora chegou a nossa vez de passar pelos mesmo erros liberais do Chile que estão sendo repetidos por aqui no Brasil.

    Por Marco Murilo

    Deixe seu comentário

    Por favor, digite seu comentário!
    Por favor insira seu nome aqui