Ataque de Eduardo Bolsonaro a Miriam Leitão motivou divulgação de áudios de tortura na Ditadura

Segundo o pesquisador responsável pela compilação de áudios, os próprios ministros do STM faziam piadas com vítimas

0
56
visualizações
Foto: Divulgação

A divulgação de áudios inéditos que comprovam que o Superior Tribunal Militar (STM) sabia da tortura a mulheres grávidas durante a Ditadura foi motivada pelo ataque do deputado Eduardo Bolsonaro (PL-SP) à jornalista Miriam Leitão, da TV Globo, que foi presa pelo regime autoritário juntamente com uma cobra quando estava grávida.

A divulgação dos áudios foi feita pela própria jornalista no jornal O Globo e no programa Fantástico nesse domingo (17). O material está sendo compilado pelo historiador e pesquisador da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Carlos Fico, que explicou ao jornal Extra o motivo de tornar os áudios públicos.

“É importante que o estado e que as autoridades se manifestem sempre em defesa dos direitos humanos, e é o que a gente não tem desde a eleição do atual presidente. É preciso sempre, permanentemente, defender os direitos humanos, coisa que o governo Bolsonaro não faz. Em todos os governos, mesmo os mais conservadores, como Collor e Sarney, mais ao centro como o FHC e à esquerda com Lula, todos defenderam os direitos humanos. Tem o ineditismo do governo Bolsonaro, que é péssimo para sociedade porque afloram esses sentimentos de negacionismo”, disse o pesquisador.

Fico diz que o deboche da tortura ocorria já durante a ditadura. Segundo ele, áudios mostram que os próprios integrantes do STM faziam “piadas” a respeito dos torturados. “Sobretudo em sessões secretas, esses ministros se sentiam muito confortáveis. Tem falas muito pesadas, grotescas, piadas com vítimas de tortura”, disse.

O pesquisador disse que “os ministros tinham consciência de que acontecia, e ficavam muito desconfortáveis quando a tortura era praticada por oficiais militares”.”Havia esse negacionismo. A ditadura tentou evitar a confirmação da existência de tortura o quanto pode, tanto que o maior número de proibições da censura é de casos de repressão”, conta.

Mesmo assim, os ministros militares faziam chacota com as vítimas. “Esses ministros eram naturalmente inseridos nesse contexto autoritário, nessa ideologia extremista, segundo a qual era preciso reprimir e acabar com a subversão, com o que eles chamavam de subversivo. Em vários momentos, comentários muito inadequados eram feitos. Ouvia coisas dessa natureza, coisa como “morreu mesmo e está enterrado”. Isso é uma frase que eu me lembro”.

Miriam Leitão torturada

Em publicação nas redes no dia 3 de abril, Eduardo Bolsonaro debochou da tortura sofrida por Miriam Leitão, dizendo que estava “ainda com pena da cobra”. A postagem faz referência à tortura sofrida pro Miriam Leitão durante a ditadura militar. Grávida, a jornalista foi colocada nua em um quarto escuro junto com uma cobra jiboia. Após a repercussão negativa do caso, o filho de Jair Bolsonaro (PL) colocou em dúvida a tortura sofrida pela jornalista.

“A Miriam Leitão certamente não se sentiu ofendida, ela só tem a palavra dela, dizendo que foi vítima de uma tortura psicológica quando foi jogada dentro de uma cela junto com uma cobra. Eu já fico com a pulga atrás da orelha, porque você não tem um vídeo, não tem outras testemunhas, não tem uma prova documental, não tem absolutamente nada”, disse o deputado.
Brasil de Fato

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui