Associação de juristas pede ao MPF a troca de procurador na investigação no caso Sérgio Moro

0
110
visualizações
Foto: Tânia Rego/Agência Brasil

A Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) solicitou ao Ministério Público no Distrito Federal, na última segunda-feira (14), a troca de procurador na investigação que apura a relação do ex-Ministro da Justiça Sérgio Moro (Podemos) com a empresa estadunidense de consultoria Alvarez & Marsal (A&M). A investigação também foi solicitada pela ABJD.

O processo está nas mãos do procurador Marcus Marcelus Gonzaga Goulart, que já pediu arquivamento de uma notícia-crime apresentada pelo deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) sobre o mesmo caso. 

Para a associação de juristas, o pedido de investigação “não se enquadra nos critérios de distribuição por dependência, por não haver no presente nenhuma representação a ser analisada pelo procurador em questão sobre os mesmos fatos narrados em sua peça, que são novos, ou mesmas partes”. 

A ABJD protocolou no dia 25 de janeiro uma representação no Ministério Público contra Moro. Por meio da representação, o grupo de juristas solicitou a instauração de um inquérito para apurar os valores e as condições da contratação do ex-juiz pela empresa, que é administradora judicial de empresas que foram investigadas pela Operação Lava Jato. 

Por isso, também pediu a investigação da relação entre Moro e as companhias assessoradas pela consultoria, como a Odebrecht. Moro permaneceu na A&M por 13 meses. 

O objetivo é verificar se Sergio Moro cometeu algum crime ao passar de juiz da Operação Lava Jato para funcionário da A&M, em benefício próprio, envolvendo conflito de interesses. 

Em nota, a associação destacou que “Moro, enquanto juiz, julgou e condenou executivos das empresas clientes da Alvarez & Marsal no processo de recuperação judicial. Teve acesso a informações privilegiadas que possuíam potencial de impacto em favor de seu trabalho na empresa”.  

“É no mínimo para se desconfiar e, evidentemente, para se investigar, que nunca houve motivação adequada à ordem jurídica constitucional e legal a justificar que Sergio Moro pudesse assumir um cargo para atuar na recuperação judicial de empresas cuja situação foi causada pela sua atuação como magistrado”, reforçaram.
Brasil de Fato

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui