13 de maio de 1888 foi abolição? ou nova etapa da escravidão?

0
322
visualizações
13 de maio 1888 dia da abolição
Foto: Reprodução

Nas escolas estudamos que 13 de maio se comemora a abolição da escravatura protagonizada pela princesa Isabel no ano de 1888, porém hoje, diversos historiadores, principalmente afrodescendentes colocam em discussão a sua real importância nesse processo de libertação dos escravos, pois muito antes dela se interessar pelo tema já existiam vários outros personagens inclusive negros libertos que fizeram muito mais pela causa.

O Brasil foi o último país do mundo a abolir o trabalho escravo no mundo, após cera de 300 anos na prática de comprar e vender pessoas, onde brancos sendo proprietários de pessoas negras, semelhantes a donos de animais de tração. Mas o Brasil já tinha outro grave problema cultural além da escravidão, que era educação que não era disponível para todos.

Se juntar as duas práticas, da falta de educação no país mais a escravidão se dava um processo perfeito onde poucas pessoas poderiam ser donas de outras pessoas, criando assim um padrão social de geração após geração, que foi muito difícil de ser quebrado.

Muitos movimentos abolicionistas fracassaram pois tudo acabava na violência, e os interesses comerciais falavam mais alto, sendo este o fator decisivo para adiar a tão sonhada liberdade dos negros no Brasil.

Após a abolição se tornar Lei por questões de políticas internacionais, onde vários países liderados pela Inglaterra exigiram que o Brasil tomasse essa posição, para não sofrer sanções econômicas, enfim a princesa Isabel assinou a “Lei Áurea”, tornando crime a escravidão no Brasil.

O grande problema é que a abolição foi executada sem nenhum planejamento, não se sabe se foi intencional ou apenas bagunça institucional na qual conhecemos até os dias de hoje no Brasil, tornando os escravos libertos em mendigos de rua. Resolvia um problema e se criava outro, pois como pessoas analfabetas, sem nenhum tipo de conhecimento social poderiam ser soltas assim dessa maneira de qualquer forma? temos que lembrar que eles eram tratados como animais e não como pessoas, a maioria deles nasceram nas senzalas e não tinham nenhum tipo de lucidez diante desse fato novo.

O Brasil é constituído por muitos povos de diferentes lugares do mundo, e a maioria de forma convidada a morar no Brasil para ajudar na construção do país e tiveram aparo do governo para iniciar essa jornada, mas os negros, naquele momento de 1888, já como ex-escravos não tiveram nenhuma assistência governamental, criando assim uma classe de pessoas que viviam com qualquer coisa, de caridade e exploração secundária a escravidão, pois os brancos não aceitariam dar um emprego digno à um negro.

As lutas, dessas pessoas existe até hoje, são muitos os descendentes de negros escravos no país, que precisam todos os dias dizer para a sociedade que são brasileiros também e que tem direitos como qualquer cidadão nascido em solo brasileiro. Hoje existe a crítica e dúvida sobre a existência do “racismo estrutural”, e para entender isso basta olhar as favelas que foram criadas pelos escravos libertos, onde a sociedade se dividiu naquele momento em dois, lugar de brancos e lugar de negros.

O tema tem muitos pontos que seriam longos para essa discussão, mas na visão econômica de hoje, os descendentes de escravos foram levados para uma armadilha, seja ela planejada ou não, para uma escravidão socioeconômica, onde o negro precisa estar abaixo do branco para que a sociedade “branca” fique satisfeita. Hoje vejo os movimentos negros questionando a própria história da abolição e quem sabe isso seria o início da libertação verdadeira, onde as leis caminham para ajustar a consciência da sociedade. Ainda existe muito a ser revisto nesse processo, mesmo que muitos acreditem que não se deve mexer no passado para acertar o presente e futuro, eu discordo.

Ainda existem muito a ser feito nessa questão de racismo no Brasil e no mundo, o processo é lento, mas deve ser encorajado a começar e recomeçar sempre, para que no futuro o que acontece hoje não seja objeto de tanta vergonha, como foi a passagem da escravidão no passado. A falta de inclusão dos negros na sociedade é totalmente visível sem questionamentos, mesmo que muito já tenha alcançado um avanço significativo, ainda existe o resquício da escravidão na parte cultural e econômica do Brasil.
Marco Murilo de Oliveira

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui