1.000 dias de Bolsonaro tem de doação de ossos a carcaça de frango com preço de frango, gasolina a 7 reais e gás a 100

    0
    210
    visualizações

    O atual governo do Brasil é tão ruim que chega ser difícil pontuar tudo de negativo que aconteceu nesses trágicos mil dias que estamos sendo obrigados a aguentar, mas vamos lá, como disse é muita coisa, vamos tentar lembrar dos mais terríveis.

    O governo mal começou sua equipe de ministros era protagonista de piadas toda semana pelo que dizia e faziam, coisas absurdas como a Ministra Damares Alves dizer que “os meninos devem usar roupas da cor azul e as meninas na cor rosa” como por obrigatoriedade. O Ministro da educação Ricardo Vélez não sabia falar português, se não sabe falar o português era bem provável que também não saiba escrever nosso idioma, muito estranho ele parar na pasta da educação, outros ministros da educação também tiveram gafes e polêmicas dignas de novela ruim. Muita polêmica, muito show, mas resolver o problema da educação no Brasil nenhum dos 5 ministros da educação do governo Bolsonaro não apresentou nada de concreto, apenas loucuras sem futuro.

    O Ministro da economia, Paulo Guedes deu o que falar e dá até hoje, na chegada importou leite da Austrália, importou porco dos EUA, entre outros produtos prejudicando os produtores aqui do Brasil, a turma ficou muito brava, e o pior de tudo que foram eles os maiores apoiadores deste governo nas eleições. Paulo Guedes falou de tudo que é barbaridade na imprensa, deste que “empregada doméstica indo pra disney é um absurdo” a dizer que “os restaurantes deveriam dar os restos de comida para os pobres e que os brasileiros comem demais”.

    :: Amazon Cosmeticos - Até 25% off em Beleza ::

    Bolsonaro pra agradar Donald Trump entregou de bandeja sem nenhuma contra partida em negociação o melhor ponto para lançamento de foguetes do mundo, isso mesmo, esse lugar fica no Brasil e o nosso presidente presenteou Trump economizando muito dinheiro lá nos EUA e para o povo aqui nada.

    Quando chegou a pandemia foi aquela guerra de combate a ciência, a teoria da conspiração tomou conta da internet, graças ao apoio do presidente que insiste até hoje que tudo isso não passa de manobra da China pra dominar o mundo, tanta bizarrice rendeu a saída de ministros que pediam demissão por não aceitar as loucuras do palácio do planalto. Tivemos que assistir perplexos o Brasil em plena pandemia de COVID-19 mundial sem ministro da saúde para direcionar as estratégias de combate ao vírus que matavam milhares por dia. A ciência dizia que os remédios propostos, que não existia tratamento precoce, mas era inútil ao presidente que insiste até hoje em remédio sem eficácia já comprovada pelos cientistas ao redor do mundo.

    Bolsonaro ignorou o uso da máscara, fez reunião secreta com pessoas que queriam lucrar com a pandemia, promoveu aglomeração, não incentivou as pessoas a se vacinar, pelo contrário, diz até hoje que não é obrigatório, e que aqueles que não querem se vacinar está tudo ok.

    Nesses 1.000 dias de governo ficou evidente que pessoas no governo que são simpáticos ao regime Nazista e de supremacia branca, o próprio presidente se reuniu com políticos de extrema direita inclusive da Alemanha que buscam voltar as ideias do regime nazista no país.

    Para garantir a desinformação Bolsonaro chegou a criar uma Medida Provisória que dava mais liberdade as notícias falsas na internet sem punição por parte da empresas de rede sociais e até mesmo pela justiça, mas o STF barrou a MP juntamente com o Senado que considerou absurdo o decreto presidencial.

    Grupos bolsonaristas organizaram uma manifestação que tinha por objetivo a visão de ótica, tendo como objetivo mais uma vez enganar a população, fazendo aglomeração em pontos estratégicos daria impressão que o Brasil todo era a favor do atual presidente, aglomerando pessoas de toda parte do Brasil em Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro no dia 7 de setembro, se essas pessoas ficassem nas suas cidades o movimento seria normal para o tamanho do apoio que resta ao presidente, mas isso não teria valor para fotos em provar de forma enganosa ao mundo que ele tem a maioria, coisa que não é verdade, e eles sabem disso, as pesquisas deixam Bolsonaro apavorado, sua popularidade derrete a cada semana e já chega a 64% de rejeição.

    O Mais triste nesses 1.000 dias de governo são os quase 15 milhões de desempegados, pessoas que voltaram a linha da pobreza extrema vivendo com apenas R$300,00 e expostos a todo tipo de sorte da vida como ir a um açougue que viu a dificuldade das pessoas em Cuiabá – MT e fazia a distribuição de ossos, supermercados fazendo malabarismo para vender seus produtos como temperar carcaça de frango a preço de R$8,00 o kg. A gasolina carro chefe de qualquer economia de qualquer país a quase R$7,00 reais e gás de cozinha sendo vendido na média de R$100,00. Os itens da cesta básica tiveram em média aumento de quase 50%, mas o arroz e o feijão dobraram de preço com as política econômicas mal feitas de Paulo Guedes no ministério da economia.

    Um governo que ampara os mais ricos que vivem de exportações e mercado financeiro, que não teve nenhum ação de política pública de impacto na sociedade para melhorar a condição de vida do povo brasileiro, que tentam esconder o que fazem como por exemplo os recordes de gastos com cartão corporativo da presidência onde Bolsonaro é o presidente recordista em gastos no cartão que é dinheiro público.

    Hoje o Brasil coleciona 15 milhões de desempregados, inflação sem controle, levando os preços principalmente da cesta básica a ter aumento em alguns produtos em 90% como arroz e feijão, milhares de brasileiros que voltaram a linha da pobreza extrema e 600 mil mortes por negligência do governo federal nas medidas de combate a pandemia mundial.

    Escândalos de suposta corrupção envolvendo as vacinas e membros do governo, esposa e filhos dos presidente sendo investigados por corrupção pela polícia federal e o caso da Prevent Senior que escancara de forma “macabra” os planos do governo para vender remédio sem eficácia comprovada levando a morte milhares de pessoas por insistir no tratamento precoce.

    Pra piorar mais ainda as relações internacionais do Brasil com outros países é um desastre, isso significa saída de capital estrangeiro, menos investimentos internacionais e a desconfiança da segurança jurídica que o país não pode garantir com tanta polêmica política e administrativa que o atual governo proporciona. Bolsonaro foi na reunião da ONU neste ano para virar chacota da TV americana e ainda receber piadinhas de outros chefes de estado, o presidente do Brasil escandalizava a todos por ser o único chefe de estado ali presente que não tomou a vacina contra a COVID-19.

    O Prefeito de Nova Iorque mandou recado dizendo que Bolsonaro não bem vindo na cidade por não respeitar as medidas sanitárias e para completar o espetáculo de horrores da nossa comitiva, o ministro da saúde mostra o dedo do meio a manisfestantes na rua e acaba ficando impedido de viajar porque testou positivo para o COVID-19 e ficou isolado nos EUA, deixando o Brasil mais uma vez sem ministro da saúde por vários dias no Brasil em plena pandemia.

    Eu poderia ficar aqui escrevendo a semana toda, para descrever o pior governo que este país já viu em toda sua história, mas acredito que já deu pra saber de quem estamos falando e para que veio, basta saber se o brasileiro que apoia o presidente também apoia essas barbaridades que temos que presenciar todos os dias.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui